Sou vítima de azares e de doenças

Ao Centro Redentor

Tenho cinqüenta e nove anos de idade e nasci em ... Como todos os pais, os meus bem cedo me mandaram para ..., estudar. Depois regressei a ..., onde iniciei a minha vida profissional, constituindo família.

Alguns êxitos que alcancei bem cedo começaram a suscitar inveja e ódio em algumas pessoas que se diziam minhas amigas, mas que, no fundo, não eram mais que inimigas.

Os anos correram e subitamente comecei a ser vítima de azares e doenças várias, que me abalaram profundamente a saúde. Consultei vários médicos de renome, mas nenhum deles foi capaz de acertar com a minha doença ou dar-me remédio adequado.

Sempre gostei de ouvir preleções sobre a vida fora da matéria. Assim, venho recorrer ao seu alto espírito de ajuda. Solicito se digne mandar-me relatório sobre a minha doença, seus agentes provocadores e aquilo que melhor convier sobre meu caso.

Apresento os meus mais respeitosos cumprimentos, ciente de que serei devidamente atendido.

Atenciosamente,


Sortes e azares são produtos da ignorância humana.

Prezado Senhor,

Lemos, atentamente, sua carta de ...

Realmente, a Medicina materialista não pode diagnosticar as doenças espirituais. Os exames médicos mais apurados criados pelos homens registram os efeitos, mas nada esclarecem sobre as causas dos males funcionais originados por pensamentos inferiores, que acabam, quando não removida a causa, por originar males orgânicos.

O desconhecimento da maioria das criaturas, mesmo as mais cultas em outros ramos da ciência, com relação às leis comuns, naturais e imutáveis que regem o universo, leva-as a aceitar, sem raciocinarem, as coisas mais absurdas.

O senhor, por exemplo, a despeito do seu grau de instrução, diz que tem sido vítima de azares, como o faria, por exemplo, um silvícola que em tais absurdos acreditasse.

Sortes e azares, com efeito, são produtos da ignorância humana a respeito das leis a que acima nos referimos.

O ser humano, por seu preparo ou despreparo para a vida eficiente, é quem constrói o seu futuro, bom ou mau, feliz ou infeliz, no qual é bem ou mal sucedido.

A comodidade das crenças, ligada à idéia de uma falsa proteção espiritual, é o que mais fascina as criaturas. Não se lhes ensina, por exemplo, que estamos neste mundo-escola fazendo um curso evolutivo, com um currículo composto de matérias das mais difíceis e variadas: obrigação de lutar contra nós mesmos, para podermos vencer as fraquezas e vícios que trouxemos de outras encarnações; disciplina, que em tudo precisa ser observada; trabalho criador, por mais humilde que seja; coragem e valor, para enfrentar barreiras e dificuldades; ânimo, diante do sofrimento que a luta pela vida impõe.

Não são matérias que convidam à preguiça, ao imobilismo, à inação. Acontece que os seres humanos possuem uma faculdade que lhes atribui toda a responsabilidade pelo que fazem: o livre-arbítrio, e o utilizam freqüentemente para o mal, vendo-se, por isso, na necessidade de repetir as matérias do curso em que são reprovados, obrigando-se a um número maior de encarnações, para conclusão desse curso.

Se a vida fosse racionalmente explicada às criaturas, o mundo em que estamos de passagem seria de união fraternal entre os seus habitantes, e a Medicina teria um caráter apenas preventivo, pois o repúdio aos vícios e o respeito às leis da natureza e aos direitos do semelhante tornariam saudáveis os seres humanos.

Os termos de sua carta não nos deixam dúvidas quanto à causa psíquica dos seus males, pelo que aconselhamos não continuar alimentando pensamentos doentios, estudar as obras editadas pelo Centro Redentor, apoiando-se em seus ensinamentos.

A limpeza psíquica, nos horários indicados, é indispensável, como prática de higiene mental.

Poderá, se quiser, preparar em casa água fluídica, e fazer uso dela várias vezes ao dia.

Fraternais saudações,

Pelo Centro Redentor.

 

De "Vitima de azares" para a página desta seção

Copyright©2005 racionalismo-cristao.org.br. All Rights Reserved