O pré-julgamento

Pedro Pomin Neto

Os que possuem firmeza de caráter dão sempre os melhores, os mais admiráveis exemplos de retidão em todos os atos da vida. Racionalismo Cristão, 44ª ed., p. 49

O hábito de pré-julgar é muito conhecido, muito usado às vezes até inconscientemente, mas os que desejam se comportar com a dignidade de um racionalista cristão precisam tomar muito cuidado, pois pré-julgar alguém é muito sério, podendo gerar sérias consequências que se transformam em uma bola de neve negativa e acabam numa avalanche retornando para a própria pessoa que gerou em respeito as leis de ação e reação, além do grande estrago na vida alheia, pois, ao tomar conhecimento de um pré-julgamento, o envolvido provavelmente romperá laços afetivos com alguém que pode vir a sofrer, tanto no que tange à sua vida pessoal quanto profissional.

Não somos donos da verdade nem da vida de ninguém, e nunca devemos nos esquecer de que a moeda tem dois lados. Pré-julgamento semeia discórdia, mágoas, desentendimentos e provoca danos muitas vezes irreparáveis.

O que precisamos é cuidar de nossas vidas e da nossa evolução sem expor a vida de quem quer que seja para os amigos.

Sempre ouvi dizer que não se deve julgar pelas aparências, mas na realidade nunca devemos julgar a ninguém, pois cada um é juiz de si próprio.

O tempo que alguém perde julgando o semelhante deve ser usado para um auto julgamento de seus atos e suas ações.

Falar de quem não está ouvindo é fraqueza de caráter, além de perversidade. Uma pessoa íntegra jamais dá ouvidos a pré-julgamentos. Quem faz um pré-julgamento comete o mesmo erro de quem está pré-julgando.

O mal deve ser cortado pela raiz, este é o princípio básico e incontestável de uma conduta moral de quem de fato valoriza o que é ser cristão.

E as pessoas que sofrem o pré-julgamento, quando ciência tomar, tenham sabedoria e muito equilíbrio emocional e espiritual, façam uma boa reflexão sobre as pessoas envolvidas a fim de evitarem fazer novos pré-julgamentos agindo com a mesma inferioridade com que foi pré-julgado. Julgamento é sempre errado, porque o que a gente julga é o passado. (Guimarães Rosa ). A melhor forma para não fazer um pré-julgamento é manter sempre um comportamento transparente, que somados com a humildade, empatia, respeito pelo próximo e ter sempre com as demais pessoas ao seu redor um diálogo aberto e franco; desta maneira, todos os fatos se esclarecem, tudo se resolve, pois se reconhecem os possíveis erros e acertos, retornando então a um clima harmonioso, o que evita futuros desgastes, contribuindo tais atitudes para melhor o relacionamento humano e a evolução espiritual de cada ser.

Abril 2012

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo