Criança ou adolescente? Uma metamorfose!

Soraya Cristhina, Ely Ramos e Adriana Mara

Precisamos estar atentas a todas as fases da vida de nossos filhos, pois cada uma delas requer um tipo de atenção especial.

Neste momento pretendemos falar de crianças em idade da pré-adolescência, uma fase tão delicada e ao mesmo tempo tão bonita e muito importante. Todos lembramos bem desta fase de nossas vidas, não é mesmo?

Muitos se lembram com alegria, outros nem tanto, mas todos têm recordações desta que é uma fase marcante quando acontecem muitas coisas pelas primeiras vezes que marcam para o resto da vida terrena.

A partir do momento em que nossos filhos tornam-se jovens, começam as necessidades de inúmeras coisas e, muitas vezes, nossos jovens rejeitam a nossa presença, como mães. Isso, à principio, nos assusta, pois, até então, nós dedicamos 24 horas por dia àquela criaturinha que está crescendo bem debaixo de nossos olhos, tornando-se independente, e nosso dever não é segurá-la para sempre, mas soltá-la bem devagarinho, liberando responsabilidades com sabedoria e carinho, transmitindo-lhe segurança para que possa sair do ninho e voar com suas próprias asas.

Claro que não devemos e nem podemos soltar por completo, é preciso serenidade, temos obrigação de acreditar nele, ele precisa de nossa confiança para sentir-se seguro de que está no caminho certo.

Dizer NÃO com firmeza e segurança também é um gesto de amor, mesmo que isso nos custe redução de sorrisos, beijos e carinhos que estamos costumados a trocar com ele, quando criança.

Normalmente entre as idades de 11 a 14 anos nas meninas e de 12 aos 15 nos meninos, seu comportamento muda, assim como seu corpo e todo seu interior.

O período de pré-adolescência começa no início da puberdade sendo variável de acordo com cada criança, muitas ainda confusas, ora querem ser crianças ora cobram ser tratados como jovens.

A adolescência tem dois lados, a família e as amizades, o lar e a rua, e precisamos estar atentos a estes dois lados que marcam a personalidade de nossos filhos adolescentes.

Precisamos ensiná-los que existe uma diferença muito grande entre amigos e colegas e que seus melhores amigos sempre serão seus pais.

Cada jovem é diferente um do outro, cada qual com sua individualidade. É responsabilidade dos adultos ter esta percepção para saber lidar com a juventude, um período de grandes transformações físicas, hormonais, de hábitos e de valores que circundam a vida do jovem.

Os ensinamentos prodigalizados pelo Racionalismo Cristão são de suma importância para o jovem e seus responsáveis, que diante dos impasses e questões que envolvam a moralidade, a intelectualidade e a espiritualidade, sejam resolvidas, esclarecidas e dirimidas através de um diálogo salutar, franco e amigo.

Lidar com a pré-adolescência não é tarefa fácil, mas também não é impossível. As nossas, até então criancinhas, estão crescendo e tudo que lhes rodeia chama-lhes mais ainda a atenção.

Os questionamentos vão ficando cada vez maiores, assim como as exigências, as dificuldades de aceitarem um NÃO, aumenta frequentemente. A nossa mente como mães fervilha buscando maneiras de lidar para que a educação não resvale numa corda bamba! E várias vezes nos perguntamos: se temos os magníficos princípios do Racionalismo Cristão, se procuramos estar sempre dentro da disciplina, por que meu filho(a) é por vezes tão tinhoso(a), tão rebelde? O que está faltando?

Mas se buscarmos no âmago da nossa alma, encontraremos a resposta de que existem as vidas pretéritas e teremos sempre que trazer à tona o fato de que tendências vieram lá de trás "junto" a este espírito que nos escolheu para ajudarmos a lhe encaminhar. Precisamos partir do ponto em que, sutilmente, se perceba no dia-a-dia as boas aptidões, para serem valorizadas e incentivadas e que se perceba principalmente as atitudes que necessitam ser corrigidas. O diálogo constante é necessário mesmo que para estes jovenzinhos seja cansativo - "mãe, você repete isso todo dia!" -, é assim mesmo que eles nos respondem. Mas não tem problema, pois é um bom sinal de que algo está se fixando.

"FALAR ÀS CRIANCAS É GRAVAR EM MÁRMORE", conhecemos bem esta linda e forte frase e somente assim, com muita disciplina, muita conversa muito carinho é que vamos chegar a um denominador comum!

O mundo do lado de fora das portas de nossos lares é, ainda, muito complicado, duro e cruel. Nossos pequenos pré-adolescentes vão passar pelas mesmas avaliações que algum tempo atrás todos nós vivenciamos.

Serão testados dia a dia, pois estarão convivendo com toda a mistura que se encontra no nosso plano evolutivo, com todos os prazeres que lhes serão oferecidos pelo mundo-escola chamado Terra, mas, se doamos o melhor que podemos a estes espíritos que nos escolheram, não teremos dúvidas de que a semente está plantada e, mesmo na turbulência do viver terreno, faremos sempre a diferença, pois seres esclarecidos, que levam uma vida de acordo com os ditames espiritualistas que recebemos graciosamente do Racionalismo Cristão, são seres mais claros, mais luminosos. E as nossas próprias crianças, já, então, pré-adolescentes vão, pouco a pouco, aprendendo a lidar com tudo que lhes é apresentado.

Há espíritos mais difíceis de "moldarmos". Com estes temos que ter pulso forte, não com imposições, mas com o dobro das estratégias anteriormente mencionadas; estes pequenos mas, muitas vezes, milenares espíritos apostaram em cada pai e mãe que escolheram e vão querer "colocar suas manguinhas de fora" para tentar nos mostrar, nesta fase em que vivem tantas descobertas, que já são adultos, que sabem mais do que os seus pais e mestres, que podem tudo, enfim, que são os mais fortes, que nem precisam mais tanto assim de nós, acham que podem até ir sozinhos aqui e acolá, mas a nossa vigilância constante deve imperar nesta hora, uma vigilância discreta, que não "roube" também a liberdade dos nossos "pequenos" e no decorrer da vidinha deles o livre-arbítrio vai cada vez mais chamando-os à razão para bons caminhos e decisões ou para estradas tortuosas, estas últimas que nem nos imaginamos em trazer aos nossos pensamentos!

QUERER é PODER e, se na vida adulta destes pequenos seres, que nos tomaram emprestados por uma parte dos seus viveres, eles não tomarem a trilha mais acertada, saberemos que fomos conscientes do bem-querer e da boa educação e que a nossa parte foi feita e ali, naquele espírito, cada vez mais estão registrados os ensinamentos espiritualistas que lhes foram ministrados. Infelizmente, em alguns casos, somente as idas e vindas ao mundo Terra vão trazer amadurecimento espiritual.

Enfim, nossos jovenzinhos, que podem usufruir dos maravilhosos ensinamentos do Racionalismo Cristão, são seres privilegiados, assim como nós, que podemos fazer uso desta boa ferramenta para lidar com estas crianças/adolescentes, já quase crescidas.

Março 2012

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo